Reino Unido Propõe Restrições a Cigarros Eletrônicos após Drama de Jovem de 12 Anos

0
47

No turbilhão de notícias que definem o panorama atual, uma história chocante emerge do Reino Unido, lançando luz sobre o crescente problema do uso de cigarros eletrônicos por crianças. Numa narrativa que mescla o estilo distintivo de Clóvis Rossi, Tom Wolfe e Noam Chomsky, esta notícia revela o drama de Sarah Griffin, uma jovem de 12 anos que experimentou os perigos insidiosos dos vaporizadores.

A realidade se desdobrou em sua casa em Belfast, na Irlanda do Norte, onde Sarah, como muitas garotas de sua idade, mantinha seu refúgio repleto de maquiagens e bonecos infantis. Entretanto, ali também escondia um segredo preocupante: vaporizadores que ela usava freneticamente. Começando aos nove anos, Sarah foi seduzida por essa prática que parecia inofensiva, mas que, em última análise, a conduziria a um terrível pesadelo de saúde.

Num país onde a venda de vapes para menores de 18 anos é ilegal, Sarah encontrou uma maneira de comprar esses dispositivos e caiu na armadilha da nicotina. Ela se tornou dependente e passou a fumar um vaporizador de 4 mil tragadas em poucos dias, em uma jornada que só pode ser descrita como autodestrutiva. O consumo voraz de vape era a primeira coisa que fazia ao acordar e a última antes de dormir, adormecendo com o vaporizador sobre o travesseiro.

No último verão britânico, Sarah consumiu um vaporizador de 4 mil tragadas em poucos dias. Os vaporizadores padrão contêm 600 tragadas.

Sua mãe, Mary, fez o possível para impedir esse desastre iminente. Revistava-a, confiscava seu telefone celular, mas nada parecia conter a espiral descendente. Com a asma de Sarah e o uso incorreto do inalador, os riscos aumentaram. E a tragédia estava à espreita.

Um resfriado no início de setembro se combinou com o vape, criando o que a médica de Sarah chamou de “tempestade perfeita”. Levada ao hospital, um raio-X revelou que apenas um de seus pulmões estava funcionando corretamente, e ela não respondia ao tratamento. Horas depois, o coma induzido se tornou a única esperança para estabilizar sua condição.

Esse terrível episódio não foi apenas um pesadelo pessoal. Representa a ponta visível de um iceberg de problemas que assolam o Reino Unido e muitos países ao redor do mundo. Números recentes mostram que uma em cada cinco crianças entre 11 e 17 anos no Reino Unido já experimentou o vape, um aumento considerável em relação a 2020. Crianças ainda mais jovens estão sendo atraídas por essa prática perigosa. A consciência da gravidade desse problema é urgente, e o sistema de saúde deve estar preparado para enfrentar as implicações em constante evolução.

As autoridades britânicas estão agindo. O governo anunciou planos para restringir a promoção e venda de vapes para crianças. As propostas estão agora abertas para consulta pública nacional. O primeiro-ministro Rishi Sunak afirma que essas medidas têm o objetivo de combater o “preocupante aumento do uso de vape entre os jovens”, tornando os vaporizadores menos coloridos e atraentes.

O ministro de Saúde do Reino Unido, Steve Barclay, prometeu ação imediata na criação de leis após a consulta pública. A preocupação com o marketing das empresas produtoras de vapes voltado para jovens é uma realidade que não pode mais ser ignorada. A segurança e a saúde de nossas crianças estão em jogo.

No entanto, a situação é complexa. O médico-chefe do Departamento de Saúde da Inglaterra, Chris Whitty, observa que o vape pode ser uma ferramenta útil para os fumantes adultos que buscam abandonar o tabaco, por ser “menos perigoso que fumar”. Este dilema entre restringir o acesso a vapes para crianças e manter uma opção para adultos fumantes é um desafio que a sociedade moderna enfrenta.

Esta história é um lembrete vívido e angustiante dos perigos do vape entre crianças e adolescentes. O drama de Sarah Griffin, uma jovem que escapou por pouco da morte, deve servir como um chamado à ação urgente. As decisões que o Reino Unido tomará a partir de agora impactarão a vida de muitas crianças e jovens.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.



Deixe uma resposta