Entrevista com a showrunner Meg Messmer

0
119

A gentrificação é um problema de longa data que muitas comunidades urbanas enfrentam nos Estados Unidos. E isso impacta a vida de muitas pessoas.

Isso é o que Interseção é sobre.

É uma comédia sombria que mostra as vidas cruzadas entre as pessoas de uma comunidade unida em Atlanta e os oportunistas de olhos arregalados que desejam se mudar para a área, iniciando o processo devastador de gentrificação.

Financiado por crowdfunding e apoiado pela comunidade, com uma sala de roteiristas exclusivamente feminina e produzida com um elenco e equipe que não é apenas 80% feminino, mas também BIPOC, Interseção é um equilíbrio perfeito entre humor e coração, ao mesmo tempo em que consegue destacar muitas questões importantes que a gentrificação traz à tona.

Tivemos o prazer de conversar com Interseções showrunner Meg Messmer sobre a nova série digital, Atlanta, onde o show se passa, seus programas de TV favoritos e muito mais.

Um grande obrigado para Meg por falar conosco e sem mais delongas, aqui está a entrevista!


Tvshowpilot: Como surgiu a ideia de Intersection? E por que você escolheu mostrar todas as questões importantes como raça, gênero e classe que a série aborda através das lentes da gentrificação?

Meg Mesmer: Fui um gentrificador durante toda a minha vida adulta, mas só tomei consciência do meu impacto há cerca de 5 anos.

Eu morava em Los Angeles na época e assistia à rápida gentrificação dos bairros ao meu redor. Eu vi muitas pessoas sendo excluídas de suas comunidades e comecei a me perguntar para onde elas estavam indo?

Como contador de histórias, eu sabia que havia uma história para contar, mas ainda não tinha certeza de qual era. Então me mudei para Atlanta em um bairro historicamente negro.

Era 2016 e a tensão racial era tão palpável. Encontrei alguns amigos (Muretta Moss e Jennica Hill) e contei a eles minha ideia e todos concordaram. Mas sabíamos que não poderíamos contar a história apenas da nossa perspectiva branca… quarto do escritor.

Eu ouço todos os tipos de pessoas, ou seja, políticos, guerreiros da justiça social, urbanistas, etc., dizerem que a gentrificação é uma “questão difícil”. Também é muito divisivo. Assim que a palavra cai, as pessoas ficam na defensiva e não podem falar sobre os problemas reais.

Se você pensar sobre isso – as questões importantes como raça, gênero e classe estão todas envolvidas nisso. Os idosos são expulsos porque os jovens se mudam e aumentam os impostos sobre a propriedade. Mulheres brancas chamando a polícia para proprietários de casas negras porque acham que estão invadindo. Preços inflacionados das casas. Desigualdade racial estrutural mostrando todo o nosso problema de segregação habitacional neste país. Está tudo lá. Tanto que foi difícil fazer uma série curta sobre isso.

Temos muito mais para cobrir!

Tvshowpilot: Eu adorei como em Intersection vemos a história deste bairro de todas as perspectivas diferentes, desde a mãe solteira que está prestes a ser despejada até o agente imobiliário fora de contato. Como você escolheu os personagens cujas histórias você vai contar?

Meg Mesmer: Essa é uma ótima pergunta!

Foi muito importante para nós contar a história de todos os lados, porque é por isso que a gentrificação é uma “questão difícil”. Não existe lado certo e errado fácil. Não é uma questão de preto e branco. Queríamos que nosso público se visse nos personagens, o que esperamos ser fácil porque a maioria de nós (os escritores) SÃO esses personagens.

Foi fácil escrever porque estávamos escrevendo o que sabemos.

Muretta Moss, a atriz que interpreta a corretora de imóveis fora de contato, trabalha como corretora de imóveis como seu trabalho paralelo – então ela conhece esse mundo. Ela já esteve em várias situações que fazem sua pele arrepiar.

Louie (interpretada por mim) decide que vai mudar uma casa para economizar para o filho que está a caminho. Isso é o que eu fiz.

Meg Messmer como Louie e Muretta Moss como Mary Margaret em Intersection episódio 2

A mãe solteira prestes a ser despejada era um amálgama de várias pessoas reais cujas histórias nos inspiraram.

Pesquisamos por cerca de 2 anos antes de colocar a caneta na página. Nós nos inspiramos em muitos livros, artigos e pessoas reais que entrevistamos.

Tvshowpilot: Eu sinto que Intersection tem essa habilidade de equilibrar comédia com problemas dolorosos que as pessoas enfrentam todos os dias. Tinha humor, mas não transformava os personagens em caricaturas. Você acha que o fato de Intersection ser uma comédia sombria ajuda as pessoas a se conectarem melhor com a mensagem do programa?

Meg Mesmer: Eu realmente espero que sim, porque é exatamente por isso que escolhemos o meio.

Sabíamos que, se fosse um drama direto, afastaria certas pessoas. Essas coisas são difíceis de assistir, especialmente quando o personagem com o qual você se identifica está sendo “chamado” de certa forma.

A maioria de nós quer apenas relaxar ou se divertir enquanto assiste TV. Então queríamos que as pessoas pudessem rir juntas… e então talvez quando o episódio terminasse… haveria esse pensamento persistente que desencadearia conversas.

Mesmo as conversas internas são melhores do que nada no mundo de hoje, ou seja, “Onde eu me encaixo nessa equação?”

Tvshowpilot: É interessante que você tenha decidido colocar os programas de TV em Atlanta, a cidade de tanta desigualdade de renda e turbulência. Como Atlanta jogou na história que Intersection conta?

Meg Mesmer: Atlanta é o berço do Movimento dos Direitos Civis e também o berço do moderno KKK. Eu disse isso antes, mas a tensão racial aqui é palpável. Mais do que qualquer outra cidade em que morei.

Atlanta também é o que eles chamam de “Meca Negra”. Há afro-americanos extremamente ricos aqui, mas foi o número 1 na lista de desigualdade de renda várias vezes na última década.

É também a primeira cidade a ser pioneira em projetos habitacionais do governo e a primeira cidade a derrubá-los sem fornecer casas alternativas para as pessoas que vivem neles.

Atlanta é um caldeirão para muitos dos problemas que abordamos em nosso show.

Tvshowpilot: Mais de 80% do elenco e equipe não eram apenas mulheres, mas também BIPOC. Por que foi importante para você ter isso em seu set?

Meg Mesmer: Como showrunner, eu não queria apenas escrever sobre os problemas, eu queria seguir o caminho.

A verdade é que a indústria do entretenimento ainda é tão branqueada. Fiz questão de garantir que contratei uma equipe do BIPOC e também dei voz a eles. E não vou mentir. Foi um desafio encontrá-los.

Eu produzi vários filmes e comerciais e a maioria das minhas listas de equipe eram homens brancos. Então eu tive que me esforçar mais para abrir minha rede.

Eu estava chegando longe, conhecendo pessoas através de colegas e em grupos do Facebook. Eu tive que convencer estranhos a vir trabalhar por quase nada e eles tiveram que confiar em mim, essa mulher branca maluca.

Mas no final, encontrei pessoas INCRÍVEIS. Pessoas talentosas, trabalhadoras e positivas pelas quais passarei pelo fogo. Nosso set estava tão cheio de colaboração, apoio e ALEGRIA.

Meg Messmer no set de Intersection

Tvshowpilot: Você não apenas dirigiu a série, mas também foi escritor, diretor e até ator em Intersection. Como foi a experiência de usar tantos chapéus ao mesmo tempo?

Meg Mesmer: Haha… bem… honestamente… foi glorioso!

Foi desafiador? SIM. Tão tão tão desafiador. Mas eu amei cada segundo disso. Eu estava no meu elemento.

Não é a primeira vez que uso muitos chapéus em um set… então isso foi útil.

Eu vou te dizer o que foi mais desafiador… foi ter certeza de que eu não estava sendo arrogante ou controladora ou injustamente exigente.

Quando você está fazendo tanto no set, é fácil dizer “não, estamos fazendo do meu jeito”, mas esse não é o show que eu pretendia fazer. Eu tive que me checar para ter certeza de deixar todos os outros criativos tomarem decisões por si mesmos. E eu sou do tipo A, então isso foi difícil às vezes.

Tvshowpilot: Por que as pessoas deveriam conferir o Intersection? Qual é a mensagem que você quer que as pessoas levem ao assistir a série?

Meg Mesmer: Eu quero que as pessoas se vejam na série. Eu quero que eles também entendam uma perspectiva alternativa diferente da sua. Quero que as pessoas pensem duas vezes antes de tirar conclusões precipitadas. Eu quero que as pessoas entendam que o mundo não gira em torno delas e que todo mundo tem merda acontecendo.

O mundo está em tons de cinza e TODOS nós precisamos estar um pouco mais confortáveis ​​vivendo nessas áreas cinzentas.

Eu também quero que as pessoas possam conversar umas com as outras e venham de um lugar de entendimento sobre questões difíceis.

Tvshowpilot: Em uma nota mais leve, já que aqui no tvshowpilot.com somos todos sobre programas de TV, qual é sua obsessão de TV atual ou um programa de TV que você acha que alguém deveria assistir agora?

Meg Mesmer: Ooo… alguns favoritos recentes foram Empregada, A escadaria, Sucessão que eu amo porque é outro drama com momentos engraçados incrivelmente estranhos.

Estou assistindo a um programa sueco na Netflix chamado Clark. A fotografia e a edição são muito divertidas.

Meu prazer culpado quando quero desligar meu cérebro é Olho estranho. Eu amo esses caras.

Tvshowpilot: Por último, o que vem a seguir para você? Algum projeto novo ou em andamento que você possa compartilhar conosco?

Meg Mesmer: É claro! Os criadores precisam criar!

Eu tenho um show que venho desenvolvendo um drama histórico chamado As bruxas da noite, sobre as únicas pilotos de combate do sexo feminino na Segunda Guerra Mundial. Se você gosta de podcasts, pode conferir alguns dos personagens da vida real do programa aqui.

Estou produzindo um filme neste outono na Sérvia com uma equipe só de mulheres. E neste verão, lançarei um podcast chamado Mama Hollywood para mulheres fodas na indústria.

Você pode encontrar tudo no meu site: www.megmessmer.com e sempre pode me encontrar no Instagram em @megmessmer.


E aí está, uma rápida entrevista com a extraordinária criativa multi-hífen Meg Messmer sobre sua nova série de comédia sombria Interseção e outras curiosidades interessantes.

Certifique-se de verificar Interseçãoatualmente, você pode assistir todos os seis episódios da série no YouTube (com um passarinho me dizendo que em breve pode haver uma data de transmissão na TV também).

Siga Meg em seu site e mídia social para acompanhar todos os seus projetos mais recentes.

E obrigado por ler!

Fonte:https://tvshowpilot.com/interviews/meg-messmer/

Deixe uma resposta